Girls Talk: Talvez algumas histórias de amor sejam um até já


Há posts que se calhar ficavam melhor nos rascunhos, mas há muito que o blog deixou de ser um sítio onde me dedico única e exclusivamente a escrever sobre moda e beleza, apesar de adorar escrever sobre esses dois assuntos, a vida é bem mais que isso.

No post de hoje venho falar de amores... e de relações inacabadas. Com relações inacabadas, falo de relações que acabam, não por as pessoas não se amarem, não por a relação estar desgastada, até pelo contrário, mas sim porque a vida não o permite no presente, por razões que as vezes não conseguimos perceber nem explicar, mas infelizmente acontecem. Afinal normalmente quando os relacionamentos acabam, o relacionamento está desgastado, as discussões são uma constante, existe falta de amor, companharismo, confiança, paciência, a outra pessoa começa a ser um fardo na nossa vida... Mas e quando nada disso acontece?!!

O amor tem razões que a própria razão desconhece, já dizia Pascal. A verdade é mesmo essa, não é o tempo que determina a intensidade com que foi vivida, existem pessoas que em meses nos marcam mais do que uma pessoa com quem estivemos anos, não escolhemos por quem nos apaixonamos. Por vezes, temos de amar as pessoas à distância e dar-lhes o espaço e tempo para colocarem a cabeça no lugar. Nada disto implica que vivam à volta do assunto, porque uma coisa é certa, o que tiver de acontecer acontece, e viverem presas a isso, psicologicamente vai dar cabo de vocês.

Quantas vezes, duas pessoas que se amam, acabam por tomar caminhos diferentes e passado uns meses ou anos acabam por se juntar de novo?! Uma das histórias mais bonitas de amor que conheço, baseia-se nisso, duas pessoas que "sonharam, desencontraram-se e ao fim de 20 anos reencontraram-se".

E vocês?! O que acham deste assunto?!





CONVERSATION

1 comentários:

  1. Acredito imenso que o que tiver de acontecer acontece e quando duas pessoas estão destinadas a ficar juntas, ficam, independentemente das voltas que o mundo dê. Beijinho, Ana Rita*

    ResponderEliminar