Risca Quem Por Ti Não Arrisca


Na terça feira passada reuni-me com o meu grupo de amigas e tal e qual como 99% das vezes a conversa acaba sempre no mesmo: rapazes e relações.

Nos últimos tempos tenho ouvido vezes demais "És demasiado tolerante, compreensiva, sacrificas-te e entregaste demasiado" a pessoas a quem a minha presença na vida delas é quase indiferente, e do quanto isso me poderá vir a fazer sofrer. Ouvir isto vezes e vezes sem conta, tem me feito refletir muito, a verdade é mesmo essa, sou uma pessoa de tudo ou nada, no que diz respeito a amizades e relações dou tudo de mim, não vivo por metades, não sou pessoa de perder tempo chateada ou irritada por coisas minimas com pessoas que são importantes para mim. Isto é algo muito bonito, e que faço questão que não mude em mim, no entanto se for com as pessoas erradas vai se traduzir numa coisa: desilusões. Afinal sempre que nos entregamos a algo, como amizades, acabamos inconscientemente a esperar retorno. E em termos de relações, a mesma coisa, uma relação não passa de uma amizade, com alguns extras.

Em seguimento da conversa com as minhas amigas, o importante aqui é mesmo "riscar por quem ti não arrisca", com isto digo pessoas que não mexem um dedo por vocês, que só vos procuram quando querem algo ou então mostram-vos que a vossa presença ou não na vida delas é igual. 

No que toca a rapazes...ninguém merece alguém que se poupa de amar e entregar, o amor é para ser sentido e não poupado, não merecem alguém que ande constantemente a ir e a voltar, que diz que vos ama, que são importantes para ela, no entanto as atitudes mostram exatamente o contrário, tenham uma coisa sempre na cabeça: "as atitudes dizem muito mais que palavras". Não merecem alguém que vos está constantemente a colocar atrás de tudo e todos, que vos esconde, que é incapaz de vos ouvir. Vocês merecem alguém que esteja lá sempre, que saiba colocar o orgulho de lado, que esteja disposto a ouvir e falar, que confie em vocês como uma amiga, alguém que chegue e fique, que saiba ver o que vocês valem, reconheça as vossas pequenas atitudes, veja que vocês não são como as outras raparigas que passaram na vida dele e que muito menos vão cometer as mesmas atitudes que elas, acima de tudo alguém que vos ouça e tente compreender tal como vocês fazem.

No meio da conversa a Adriana disse-me "Eles dizem que nós somos dramáticas e complicadas, a verdade é que não falam connosco, acham que podem tudo como se isso não nos afetasse e não tivéssemos o direito de nos chatear". A verdade é mesmo essa, é que se nos chateamos somos "dramáticas", e fazemos mil e um filmes, mas muitas vezes eles não são capazes de ser sinceros connosco, e nem sequer nos querem ouvir. Em qualquer relação a comunicação e confiança têm de andar de mãos dadas se não isso vai gerar uma data de mal entendidos totalmente desnecessários.

Para finalizar, não se esqueçam se realmente fizerem falta e forem importantes para alguém, essa pessoa irá demonstra-lo. Se fizeram tudo o que podiam fazer pela pessoa em questão fiquem de consciência limpa, não se martirizem e culpabilizem constantemente, vejam as coisas com olhos de ver. O tempo ajuda a colocar as ideias no lugar a analisar as situações.


Queria agradecer à linda da Catarine Martins por me ter cedido o título de um post que fez (Aqui), não haveria melhor título que este. Estou esperando ansiosamente a vinda dela a Lisboa este Verão!


CONVERSATION

1 comentários:

  1. Concordo com as tuas palavras, mas por vezes é difícil deixar ir. Por vezes torna-se um ciclo vicioso, e aprendemos a dar mais e a receber menos. Mas acho que tens uma personalidade muito bonita e mesmo que desilusões apareçam, não deverias mudar, porque acabas sempre por ganhar algo em troca. Nada acontece sem razão.

    Beijinhos <3

    http://un-faux-pas.com

    ResponderEliminar